Lutas e Cores cobra as promessas feitas pela prefeita na campanha de 2016 - Blog do Edvaldo Magalhães

30 de agosto de 2017

Lutas e Cores cobra as promessas feitas pela prefeita na campanha de 2016


O Coletivo LGBT Lutas e Cores divulgou, nesta quarta-feira (30), uma Carta Aberta endereçada à Prefeita Raquel Lyra. Na Carta, o Lutas e Cores cobra a instalação imediata do Centro de Referência LGBT que atenderia vítimas de violência motivada por intolerância à diversidade sexual e à identidade de gênero. Essa solicitação do Lutas e Cores foi apoiada por mais de 60 organizações, sindicatos e movimentos sociais que subscreveram a carta em solidariedade ao Coletivo.

De acordo com o Lutas e Cores, a lei 7547/2017 aprovada pela Câmara Municipal de Caruaru no mês de julho, destinou R$ 165.000,00 para obras, instalações, equipamentos e material permanente do Centro de Referência LGBT. Entretanto, até o presente momento esse Centro não foi inaugurado para atender a população LGBT de Caruaru.
O Lutas e Cores também cobrou outras promessas feitas pela atual Prefeita de Caruaru nas eleições de 2016. A Carta Aberta é mais um sinal da falta de diálogo com a população e da dificuldade que a Prefeita Raquel Lyra vem tendo em sua gestão para atender as promessas feitas na sua campanha. Confira a carta na íntegra:

CARTA ABERTA À PREFEITA DE CARUARU: PRECISAMOS DA INSTALAÇÃO IMEDIATA DO CENTRO DE PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS LGBT

Caruaru, 30 de agosto de 2017.

Prezada prefeita, o Coletivo LGBT Lutas e Cores vem por meio desta carta solicitar que a Prefeitura de Caruaru crie e instale o Centro de Promoção e Defesa dos Direitos LGBT no município de Caruaru-Pernambuco.

No último dia 28 de Julho, a Câmara de Vereadores de Caruaru aprovou o Projeto de Lei 7547/2017 que destinou R$ 165.000,00 para obras, instalações, equipamentos e material permanente deste equipamento público que tem por objetivo receber casos de violência e atuar na defesa dos direitos humanos da população de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT). Além disso, a mesma lei destinou R$ 90.000,00 para manutenção do programa de institucionalização da política pública LGBT. Apesar destes recursos já terem sido aprovados, até agora não temos nenhuma informação a respeito da sua aplicação por parte da Secretaria de Desenvolvimento e Direitos Humanos.

Infelizmente, ocorrem diversos casos de violência contra a população LGBT em Caruaru. Essa violência é diária e pode ser física, psicológica, patrimonial, simbólica, etc. Nosso município tem lamentavelmente se destacado em termos de assassinatos e suicídios de LGBT, motivados pela violência LGBTfóbica que acomete nossa população.

Recentemente o assassinato do jovem Marlon Wesley Santos Lucas foi noticiado na imprensa local e estadual. Marlon foi perseguido e cruelmente espancado, no caminho de sua casa para o trabalho. Infelizmente este jovem de apenas 24 anos, faleceu no dia 27 de abril em função desse espancamento que resultou em um traumatismo craniano. Vítima de uma violência motivada pela sua orientação sexual, Morlon foi espancado por ser gay. Sua família encontrou inúmeras dificuldades para registrar um boletim de ocorrência nas delegacias e ainda sofre com a impunidade. Outro caso muito triste que evidencia essa lamentável violência contra a população LGBT de Caruaru, foi o assassinato da jovem travesti Ewelin, no dia 22 de agosto.
Além dessas situações de violência física, poderíamos citar alguns de violência psicológica que acometem sobretudo os/as adolescentes e jovens LGBT. Não é incomum saber que mais um LGBT tirou ou idealizou tirar a sua própria vida em Caruaru. Esses suicídios são a mais escancarada expressão da LGBTfobia simbólica e psicológica.

Diante desse gritante conjunto de violações e considerando o seu plano de governo apresentado no último período eleitoral, reiteramos mais uma vez nossa solicitação pela urgente instalação do Centro de Promoção e Defesa dos Direitos LGBT. Aproveitamos a ocasião, para lhe cobrar a efetivação de outras duas propostas do seu plano de governo, a saber: “Implantar políticas públicas para o segmento LGBT, a fim de combater o preconceito e a discriminação” e “Desenvolver programa de atração e permanência de transexuais e travestis no ensino regular ou na modalidade de Educação de Jovens e Adultos”.

Considerando a importância desta solicitação e em apoio às demandas apresentadas pelo Coletivo LGBT Lutas e Cores, subscrevem esta carta:

1 - Centro de Pesquisa em Direitos Humanos, Gênero e Democracia – DIVERSA
2 - Marcha Mundial de Mulheres – MMM Núcleo Agreste
3 - Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST
4 - Articulação Brasileira de Gays – ARTGAY
5 - Articulação Brasileira de Jovens Gays – ARTGAY Jovem
6 - Observatório dos Movimentos Sociais na América Latina
7 - Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT
8 - Fórum LGBT de Pernambuco
9 - Instituto Papai
10 - Ser Coletivo
11 - Mães Pela Diversidade
12 - Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo – GTP+
13 - Grupo Gaymado
14 - Movimento Gay Leões do Norte
15 - Coletivo Nacional de Lésbicas Negras Feministas Autônomas – CANDACES-BR
16 - Articulação e Movimento para Travestis e Transexuais de Pernambuco – AMOTRANS
17 - Gestos - Soropositividade, Comunicação e Gênero
18 - Movimento RUA – Juventude Anticapitalista
19 - Sindicato dos Enfermeiros de Pernambuco – SEEPE
20 - Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco – SINTEPE
21 - Instituto Brasileiro de Transmasculinidade – IBRAT
22 - Núcleo Feminista de estudos em gênero e masculinidades – GEMA/UFPE
23 - Grupo Mulheres Somos Todas Iguais
24 - União dos Estudantes de  Pernambuco - UEP
25 - União Brasileira de Mulheres - UBM
26 - União dos Estudantes Secundárias de Caruaru - UESC
27 - União dos Estudantes Secundaristas de Pernambuco - UESPE
28 - Federação Nacional dos Estudantes em Ensino Técnico - FENET
29 - Movimento Correnteza
30 - Coletivo Afro Ilê Dandara
31 - Diretório Acadêmico de Psicologia Nena Marinho
32 - PDT Diversidade
33 - Movimento de Luta dos Bairros, Vilas e Favelas - MLB
34 -  Movimento Luta de Classes - MLC
35 - Movimento de Mulheres Olga Benário
36 - Unidade Popular pelo Socialismo - UP
37 -  União da Juventude Rebelião - UJR
38 - Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil de Caruaru - SINTRACON
39 - Sindicato dos Trabalhadores na Limpeza Urbana de Caruaru e Região - SINDLIMP
40 - Sindicatos dos Mototaxistas de Caruaru - SINDMOTO
41 - Sindicato dos Trabalhadores de Telemarketing de Pernambuco -
SINTELMARKETING
42 - Comitê Estudantil ASCES Pela Democracia - ASCES/UNITA
43 - Diretório Acadêmico de Direito Gilberto Freitas de Araújo (DAGFA) - ASCES/UNITA
44 - Fórum Nacional de Travestis e Transexuais Negras e Negros - FONATRANS
45 - Associação Nordestina de Travestis e Transexuais -ANOTRANS
46 - União de Negros Pela Igualdade - UNEGRO Caruaru

47 - Articulação Brasileira de Lésbicas - ANAL
48 - Movimento D'ELLAS
49 - Diretório Academico de Comunicação Social Álvaro Lins do Campus Agreste da UFPE
50 - Diretório Acadêmico de Serviço Social Celso Severo - Faculdade Maurício de Nassau - unidade Caruaru
51 - União da Juventude Socialista
52 - Coletivo o/a CUCA Te Pega da Universidade Federal Rural de Pernambuco
53 - CUCA Pernambuco
54 - União Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - UNALGBT
55 - A União Metropolitana de Estudantes Secudaristas de Pernambuco - UMES/PE
56 - Associação Nacional de Militares e Forças Armadas Vivendo com HIV - Asnamfa+
57 - Central dos Movimentos Populares
58 - Secretaria Nacional LGBT do PT
59 - Rede Nacional de Negras e Negros LGBT
60 - Central Nacional LGBT
61 - Coletivo Para Todos
62 - Centro Acadêmico de Pedagogia Erton Cabral do CAA-UFPE
63 - Levante Popular da Juventude
64 - Rede LGBT do Interior de Pernambuco
65 - Grupo LGBT Sete Cores
66 - Representação Discente do Programa de Pós Graduação em Educação Contemporânea do Campus Agreste/UFPE

Nenhum comentário:

Postar um comentário